Luz e Visão

Luz e Cor

É uma caraterística e uma capacidade do material e não da luz. Mas, são inseparáveis, porque na ausência de luz, não há cor.

A cor surge quando a luz incide sobre os elementos físicos, interagindo com os mesmos em fenómenos de absorção, dispersão, reflexão e refração. Após esta interação, a radiação refletida é captada pela retina, que a codifica sob a forma de impulsos nervosos, aos quais o córtex cerebral atribui significado.

Light and Color

They are inseparable. Without light there is no color. The exception is black, which corresponds to the absence of light.

Color is created when light shines and interacts with physical elements in phenomena of absorption, dispersion, reflection and refraction. The reflected radiation after this interaction is captured by the retina and encoded as neural impulses which afterwards are interpreted by the visual cortex.

Sinais Visíveis

A visão surge porque existe luz que, ao interagir com células especializadas na retina, é codificada sob a forma de impulsos nervosos. Estes, por sua vez, são transportados até ao córtex visual por uma cadeia de neurónios que comunicam entre si. A rapidez de captação, transformação e interpretação de informação pelo aparelho visual é extraordinária e está ainda muito além de tudo o que é possível criar com equipamento concebido pelo Homem.

Signals

Vision is possible due to the interaction of light with specialized cells in the retina, which encode it as neural impulses. These are transported to the visual cortex by a neuron chain. The speed of capture and processing of visual information by the visual system is extraordinary and is still far beyond the reach of any Man made device.

Um cérebro que “vê”

O percurso começa com um feixe de luz que atravessa e interage com os meios transparentes do globo ocular (córnea, cristalino e humor vítreo), sendo focado na retina.

É aí que células especializadas processam a informação visual recebida. Os cones estão concentrados na área central da retina (mácula) e permitem ver nitidamente e separar as cores, enquanto os bastonetes ajudam a ver no escuro e a percorrer movimentos. São estas células, os cones e os bastonetes que, quando são estimuladas por fotões, dão origem a impulsos nervosos, que são transportados pela via ótica até ao córtex cerebral, onde todos os dados são processados e interpretados.

É no córtex cerebral que ocorre a maior parte do processamento do sinal gerado pela retina, dando significado e contexto à informação visual recebida.

The brain that “sees”

The journey begins with a light beam going through and interacting with the eye’s clear media (cornea, lens and vitreous humor) and being focused on the retina.

In the retina, specialized cells process visual information. Cones are mainly situated in the central area of the retina (macula) and allow the best visual acuity and color vision, while rods are responsible for night vision and are more sensitive to movement. These cells when stimulated by photons give origin to neural impulses transported by the optic pathway up to the visual cortex where they are processed and interpreted.

It is in the visual cortex that most of the processing of the visual signals generated by the retina occur, giving meaning and context to visual information.

Invisível e poderosa

O início pode ter sido denso e de trevas. A “era negra” terá terminado com a combinação de partículas elementares na forma de átomos, conferindo ao Universo a sua transparência e permitindo aos fotões, formados por processos de fusão nuclear nos núcleos das primeiras estrelas, iluminar o cosmos.

Da interação entre a luz e a matéria derivamos a nossa perceção de cor. O mundo real, tal como o conhecemos, colorido e heterogéneo, nasce desta dinâmica. Para captar imagens no interior do olho humano segue-se o mesmo princípio. A estrutura tem de ser transparente e entre luz e matéria deve existir uma interação.

Invisible and Powerful

In the beginning there was darkness. The “dark ages” ended with the combination of elementary particles as atoms, giving the Universe its transparency and allowing photons formed by processes of nuclear fusion in the core of the first stars to light the cosmos.

The light matter interaction forms the basis for our color perception. The real world as we know it, colorful and diverse, is born from this interplay. In the human eye the same principles govern image capture. Transparency is a must and light and matter must interact.

Revelações

É o momento em que a perícia humana se alia à melhor tecnologia. As revelações podem ser as que o telescópio Hubble capta no nosso Universo transparente ou as que um equipamento de diagnóstico obtém quando alcança imagens do interior do interior do olho humano. Num e noutro caso, a transparência é obrigatória e a luz imprescindível. Para captar estas imagens do olho humano não são necessários telescópios, mas são precisos retinógrafos, tomógrafos e lâmpadas de fenda.

Acumulámos quatro milhões de imagens e inúmeras histórias de sucesso da oftalmologia portuguesa. Narrativas partilhadas com a física, a matemática, a engenharia de estruturas, a arquitetura ou a estética, ciências obrigatoriamente presentes em cada olho humano e que têm um parceiro comum: a LUZ.

Revelations

It is the moment in which human skill walks hand in hand with technology. The revelations could be the images of our Universe captured by Hubble space telescope, or of the interior of the human eye captured with diagnostic equipment. In one case or the other, trasnparency is a must and light indispensable. To capture these images from the interior of the human eye one doesn’t need a telescope but instead a slit lamp, an optical tomography or retinography devices are required.

We collected four million images and countless success stories of the Portuguese Ophthalmology. Narratives shared with physics, mathematics, structural engineering, architecture or aesthetics, disciplines present in each human eye, sharing a common partner – LIGHT.